Lição 132: Libero o mundo de tudo aquilo que eu pensava que fosse.

censorship-limitations-freedom-of-expression-restricted-39584.jpeg

Libero o mundo de tudo aquilo que eu pensava que fosse.

 

  1. O que mantém o mundo acorrentado senão as tuas crenças? E o que pode salvar o mundo, exceto o teu Ser? A crença é, de fato, poderosa. Os pensamentos que manténs são poderosos e as ilusões são tão fortes em seus efeitos quanto a verdade. Um louco pensa que o mundo que vê é real e não duvida disso. Ele não pode ser influenciado pelo questionamento dos efeitos de seus pensamentos. A esperança da liberdade só lhe vem quando finalmente a fonte de seus pensamentos é posta em questão.
  2. No entanto, a salvação pode ser conseguida com facilidade, pois qualquer um é livre para mudar a sua mente e com ela, mudar todos os seus pensamentos. Agora a fonte do pensamento foi deslocada, pois mudar a tua mente significa que mudaste a fonte de todas as ideias que pensas ou jamais pensaste ou ainda pensarás. Liberta o passado daquilo que pensavas anteriormente. Liberta o futuro de todos os antigos pensamentos de busca do que não queres achar.
  3. Agora, o único tempo que resta é o presente. É aqui, no presente, que o mundo é posto em liberdade. Pois, quando deixas que o passado se dissipe e liberas o futuro de todos os teus antigos medos, achas um modo de escapar e o dás ao mundo. Escravizaste o mundo com todos os teus medos, as tuas dúvidas e misérias, a tua dor e as tuas lágrimas, e todos os teus pesares pressionam e mantêm o mundo prisioneiro de tuas crenças. A morte o ataca de todos os lados, porque manténs amargos pensamentos de morte dentro da tua mente.
  4. O mundo, em si, não é nada. A tua mente tem que dar significado a ele. E o que contemplas nele são os teus desejos encenados para que possas olhar para eles e pensar que são reais. Talvez penses que não fizeste o mundo, mas que vieste contra a tua vontade ao que já havia sido feito, dificilmente esperando que os teus pensamentos pudessem lhe dar significado. Entretanto, na verdade, achaste exatamente aquilo que procuravas quando vieste.
  5. Não há outro mundo à parte daquele que desejas e nisso está a tua liberação suprema. É só mudar a tua mente quanto ao que queres ver e todo o mundo tem que mudar em consequência. Ideias não deixam a sua fonte. Esse tema central é declarado com frequência no livro texto e tem que ser mantido em mente se quiseres compreender a lição para o dia de hoje. Não é o orgulho que te diz que fizeste o mundo que vês e que ele muda à medida que mudas a tua mente.
  6. Mas é o orgulho que argumenta que vieste a um mundo que é bastante separado de ti mesmo, impermeável àquilo que pensas e bem à parte do que possas pensar que ele seja. Não há nenhum mundo! Esse é o pensamento central que o curso tenta ensinar. Nem todos estão prontos para aceitá-lo e cada um tem que ir tão longe quanto possa se permitir ser conduzido ao longo da estrada para a verdade. Ele voltará e irá ainda mais adiante, ou talvez recue por um momento para retornar outra vez.
  7. Mas a cura é a dádiva daqueles que estão preparados para aprender que não existe nenhum mundo e que podem aceitar a lição agora. A sua prontidão para isso lhes trará a lição sob alguma forma que possam compreender e reconhecer. Alguns a veem subitamente, à beira da morte, e erguem-se para ensiná-la. Outros acham-na em uma experiência que não é desse mundo, que lhes mostra que o mundo não existe porque o que contemplam tem que ser a verdade e, no entanto, contradiz claramente o mundo.
  8. E alguns achá-la-ão nesse curso e nos exercícios que fazemos hoje. A ideia de hoje é verdadeira, porque o mundo não existe. E se, de fato, o mundo for a tua própria imaginação, então podes soltá-lo de todas as coisas que jamais pensaste que ele fosse, apenas mudando todos os pensamentos que lhe deram essas aparências. Os doentes são curados quando abandonas todos os pensamentos de doença e os mortos ressuscitam quando deixas os pensamentos de vida substituírem todos os pensamentos de morte que jamais tiveste.
  9. Uma lição anterior, já repetida uma vez, tem que ser novamente enfatizada agora, pois contém o sólido fundamento para a ideia de hoje. Tu és como Deus te criou. Não há lugar algum onde possas sofrer, nem tempo algum que possa trazer qualquer mudança ao teu estado eterno. Como pode existir um mundo de tempo e lugar, se tu permaneces tal como Deus te criou?
  10. O que é a lição para o dia de hoje, senão um outro modo de dizer que conhecer o teu Ser é a salvação do mundo? Libertar o mundo de todo tipo de dor é apenas mudar a tua mente sobre ti mesmo. Não existe nenhum mundo à parte das tuas ideias porque as ideias não deixam a sua fonte e tu manténs o mundo dentro da tua mente em pensamento.
  11. No entanto, se és tal como Deus te criou, não podes pensar à parte Dele, nem fazer o que não compartilhe da Sua intemporalidade e do Seu Amor. Essas coisas são inerentes ao mundo vês? Esse mundo cria como Ele? Se não o fizer, não é real e não pode ser em absoluto. Se tu és real, o mundo que vês é falso, pois o mundo não é como a criação de Deus em todos os seus aspectos. E do mesmo modo como foste criado pelo Seu Pensamento, foram os teus pensamentos que fizeram o mundo e têm que libertá-lo para que possas conhecer os Pensamentos que compartilhas com Deus.
  12. Libera o mundo! As tuas criações reais esperam por essa liberação para te dar a paternidade, não de ilusões, mas como Deus na verdade. Deus compartilha a Sua Paternidade contigo, que és o Seu Filho, pois Ele não faz distinções entre o que é Ele Mesmo e o que ainda é Ele. O que Ele cria não está à parte Dele, e em lugar algum o Pai chega ao fim para dar início ao Filho como algo separado de Si Mesmo.
  13. Não existe nenhum mundo porque ele é um pensamento à parte de Deus, feito para separar o Pai e o Filho e arrancar uma parte do Próprio Deus para assim destruir a Sua Integridade. Um mundo vindo dessa ideia pode ser real? Pode estar em algum lugar? Nega as ilusões, mas aceita a verdade. Nega que sejas uma sombra deixada por um momento sobre um mundo agonizante. Libera a tua mente e contemplarás um mundo liberado.
  14. O nosso propósito hoje é o de libertar o mundo de todos os pensamentos vãos que jamais mantivemos a respeito dele e de todas as coisas vivas que vemos sobre ele. Não podem estar aí. E nós também não podemos. Pois estamos no lar que o nosso Pai estabeleceu para nós, junto com elas. E nós, que somos como Ele nos criou, neste dia queremos liberar o mundo de cada uma das nossas ilusões para que possamos ser livres.
  15. Começa os períodos de quinze minutos nos quais hoje praticamos por duas vezes com isto:

Eu, que permaneço tal como Deus me criou,

quero liberar o mundo de tudo o que eu pensei que ele fosse.

Pois sou real porque o mundo não o é,

e quero conhecer a minha própria realidade.

 

Em seguida, apenas descansa, atento, mas sem tensão, e deixa a tua mente ser mudada em quietude para que o mundo seja libertado junto contigo.

  1. Não precisas reconhecer que a cura vem a muitos irmãos do outro lado do mundo, assim como àqueles que vês por perto quando envias esses pensamentos para abençoar o mundo. Mas sentirás a tua própria liberação, embora ainda não possas compreender inteiramente que nunca poderias ser liberado sozinho.
  1. Ao longo do dia, aumenta a liberdade transmitida a todo o mundo através das tuas ideias e dize sempre que te sentires tentado a negar o poder da simples mudança da tua mente:

Libero o mundo de tudo o que eu pensava que fosse,

e em vez disso,

escolho a minha própria realidade.

 Comentários de Kenneth Wapnick:

 

“Nosso sentimento de aprisionamento e vitimação não vêm do mundo, mas de uma crença em nossas mentes. Como todos devemos ver, se o mundo não é nada, como pode nos aprisionar? É a mente que dá ao mundo o seu poder, pois é aí que o aprisionamento acontece.

Nosso Ser não está nesse mundo. Ele está em nossas mentes, e através do Espírito Santo, o símbolo do Ser, vamos aprender a nos lembrar da nossa Identidade. Assim, o mundo não é salvo por pessoas individuais, mas por nos lembrarmos da Unicidade de Cristo, o Ser unificado e sem forma. O perdão é o meio pelo qual nos lembramos e é, portanto, o instrumento da salvação do mundo.

Pensamentos têm poder dentro do sonho, onde eles podem nos manter adormecidos e nos fazer acreditar que o sonho é realidade. Enquanto nos identificarmos com nossos corpos, portanto, nossos pensamentos têm um poder tremendo: de escolher o inferno ou o Céu. E o que escolhermos vai se tornar realidade para nós.

Mudar nossas mentes é mudar nosso professor, permitindo que nossos pensamentos mudem também. Com o ego, esses pensamentos consistem de pecado, culpa, medo, sofrimento, ataque e morte. Com Jesus, eles são de perdão, paz e cura, o que desfaz o ego. Qualquer um pode fazer essa escolha, porque o processo não depende de nada externo. É irrelevante se você vive em um campo de concentração, numa prisão ou em um gueto, ou como um membro da classe privilegiada; você pode mudar sua mente e perdoar enquanto está deitado na cama de um hospital e morrendo. O estado do seu corpo ou do mundo ao seu redor é irrelevante para a salvação, que tem a ver apenas com sua mente. Mais uma vez, essa mudança nasce do reconhecimento de que talvez, apenas talvez, você esteja errado. Você nem mesmo tem que ser definitivo sobre isso; apenas admitir que tal possibilidade existe.

Lembrem-se de que a fonte última da nossa liberdade é o professor que escolhemos, a culpa do ego ou o perdão do Espírito Santo. Ambos estão em nossas mentes, o que significa que o passado é libertado aqui: o foco único do currículo do Curso.

O mundo de tempo e espaço do ego – passado, presente e futuro, e corpos separados – foi especificamente feito para colocar uma brecha entre o original e contínuo sistema de pensamento de separação, e nossas experiências no mundo. O propósito do Um Curso em Milagres é diminuir essa brecha, que é o motivo pelo qual logo no início do texto, Jesus diz que economiza tempo, colapsando o intervalo de tempo por diminuir o espaço entre a causa – o instante ancestral no qual escolhemos o ego em vez do Espírito Santo – e o efeito – o sofrimento que experienciamos agora, no corpo: a mesma brecha que introduzimos para nos manter separados uns dos outros.
O mundo é mantido em cativeiro por nossa identificação com o sistema de pensamento de pecado, culpa e medo do ego. Uma vez projetado, ele faz surgir o tempo linear: passado, presente e futuro. No instante santo – o significado de “o único tempo que resta é o presente” – não estamos no mundo, significando que nossa atenção não está firmemente presa em corpos – no nosso ou nos dos outros -; nós acompanhamos apenas nosso novo Professor.

Quando estamos com o Espírito Santo, não mais estamos separados do Amor de Deus. Portanto, não existe o sistema de pensamento de pecado, culpa ou medo do ego, e nenhum mundo poderia surgir como proteção para esse sistema de pensamento. No agora do instante santo, o mundo é libertado, porque o mundo naquele instante não existe: “em nenhum único instante o corpo existe de forma alguma” (T-18.VII.3:1). No instante santo, não existe corpo, porque, mais uma vez, o corpo é a incorporação do pensamento de separação do ego (LE-pI.72.2:2), que se foi. Em nenhum único instante, o mundo existe também, porque o mundo e o corpo são o mesmo, unidos no propósito único da separação.

Nós agora estamos familiarizados com a idéia de que não há mundo ao qual darmos qualquer coisa, e então, nós não desistimos literalmente do mundo. O mundo é simplesmente parte de nossas mentes, e a mente do Filho de Deus é uma. Assim, o Verbo de Jesus em Um Curso em Milagres não tem que ser pregado, ensinado ou disseminado, e certamente não precisa que uma igreja seja construída ao seu redor. Seu Verbo é destinado a apenas uma pessoa: você, o leitor. Quando você se identifica com o Verbo do princípio da Expiação, você é a Filiação, e o mundo é curado. Assim, o mundo é salvo, e então, quando você é curado, não é curado sozinho.

Em resumo então, Jesus não quer dizer literalmente que você dá escapatória ao mundo, o que seria diretamente oposto a tudo o que seu curso ensina. A escapatória é dada ao mundo no sentido de que ele existe em sua mente, e na extensão em que você se identificar com o ego, o mundo existe em uma mente perturbada, que é o motivo pelo qual existe um mundo perturbado. No entanto, quando você escolhe o Professor da cura e seu mundo é curado, a Filiação é curada com você. Se não existe separação, não existe mundo. Assim, o mundo é libertado, o pré-requisito para sua cura e gentil desaparecimento. E então, o mundo termina em alegria, paz, riso e com uma bênção (MP-14.5:1-8).

A cura então, desfaz o sistema de pensamento do ego, mantido seguramente no lugar pela crença de que esse mundo e nossas experiências aqui são reais. Portanto, nós perdoamos nosso irmão pelo que ele não fez, pois nada jamais acontece em um sonho. Doenças reforçam essa ilusão; cura a desfaz.

No entanto, se permanecermos com a luz do nosso Professor, Seu Amor nos capacitará a atravessarmos a escuridão do desespero até o mundo real de vida e verdade.

A idéia de hoje – “Libero o mundo de tudo aquilo que eu pensava que fosse” – é verdadeira porque o mundo não existe. E se existisse, eu não teria o poder de libertá-lo, o que posso fazer porque ele é mantido em cativeiro apenas pelo tomador de decisões na minha mente.

O Filho de Deus é um. Quando seguro a mão de Jesus e caminho com ele para fora do sonho, não caminhamos sozinhos, pois caminhamos com toda a Filiação para a casa que nunca verdadeiramente deixamos: Como nossa realidade poderia estar em qualquer outro lugar além de com o Criador da realidade?

O que nos liberta não é fazermos algo com nossos corpos ou com os dos outros, mas liberarmos nossos pensamentos: “Libero o mundo de tudo aquilo que eu pensava que fosse”.

Jesus nos pede para deixarmos que nossa mente seja “mudada em quietude”, significado que o tomador de decisões decide estar quieto, e em quietude, silencia o sistema de pensamento do ego. Isso não é responsabilidade de Jesus. Uma vez que eu sou a fonte dos gritos estridentes do ego que abafam a Voz pelo Amor, eu sou o único que pode dizer que não quero mais ser aprisionado. Essa é a mudança da mente efetuada em quietude. Uma vez que estou quieto, minha mente é mudada pelo Espírito Santo, tendo eu levado minhas ilusões a Ele. Nesse ponto, sua escuridão desaparece na luz da Sua verdade.

Uma vez que você escolhe o amor de Jesus, seu amor naturalmente se estende através de você, o que significa estender através da mente da Filiação. Não existe nada mais. A linguagem do Um Curso em Milagres com freqüência parece sugerir que existe um dentro e fora, o primeiro se estendendo para o último. O conteúdo por trás dessas palavras, no entanto, é bem diferente porque não existe lado de fora. Uma vez que você se une a Jesus como seu professor, terá se unido à Filiação.

Mas vamos experimentar o amor, paz e alegria que vêm quando liberamos os julgamentos e mágoas, e aceitamos que o amor de Jesus é tudo o que queremos. Há uma adorável oração anônima que diz: “Eu não tenho nada, eu não quero nada, eu não sou nada, além do amor de Jesus”. Em seu amor, a Filiação é liberada como uma, da sua carga de separação.”

PARTICIPE você também do nosso GRUPO DE ESTUDOS Online Gratuito!
Inscreva-se aqui!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s